Voltar

Sem Glúten

Por dentro do corpo: o que acontece no organismo do celíaco?

Entenda como a doença se desenvolve no organismo e o que acontece quando paramos de consumir glúten

A doença celíaca - ou intolerância ao glúten - atinge a mucosa do intestino delgado, causando sua atrofia. Assim, quando a pessoa intolerante consome alimentos com glúten (ou apenas “contaminado” por ele - saiba mais sobre contaminação cruzada aqui) ela tem dificuldade em absorver nutrientes. Nós já explicamos melhor o que é a doença celíaca.  Normalmente, a intolerância se desenvolve na infância, mas nem sempre ela é diagnosticada rapidamente - afinal, sempre é possível achar que é apenas um desconforto, um mal estar passageiro, e não uma reação alérgica ou de intolerância alimentar.


Hoje, queremos falar sobre a forma como a doença celíaca impacta o organismo para entender o que acontece quando há a desintoxicação do glúten do organismo.



Como a doença celíaca impacta o intestino?


Quando uma pessoa tem a doença celíaca, o glúten consumido incita o sistema imunológico a atacar o revestimento do intestino delgado. Quanto maior o segmento afetado, maior é o distúrbio de absorção. Esse dano no intestino delgado é chamado de atrofia das vilosidades.


Em artigo publicado no site verywellhealth (e verificado pela médica Emmy Ludwig) , a jornalista Jane Anderson explica que a atrofia das vilosidades faz o sistema imunológico reagir à ingestão de glúten corroendo e deixando as vilosidades (praticamente) incapazes de absorver os nutrientes de forma adequada. Sua recuperação, que ocorre a partir do início da alimentação sem glúten, é o que fará com que o paciente se sinta melhor. 


Estudos recentes indicam que, dificilmente, as vilosidades intestinais de pessoas adultas ficarão 100% recuperadas. Já entre crianças, há maior chance de a recuperação do intestino delgado ser completa. As vilosidades saudáveis são mais longas. Uma pessoa que teve danos menos graves causados pela doença celíaca mantêm vilosidades curtas, enquanto as pessoas que tiveram danos mais graves praticamente não têm vilosidades intestinais.



Tenho doença celíaca e cortei o glúten: o que acontece agora?


Quando o paciente é diagnosticado com doença celíaca e corta o glúten da alimentação, ele começa a se sentir melhor - um pouco mais a cada dia - porque as vilosidades, via de regra, começam a cicatrizar. Mas, como dito acima, o intestino delgado pode não se curar completamente.


Estudo realizado na Clínica Mayo (Minnesota/EUA) analisou a biópsia intestinal de 241 adultos diagnosticados com doença celíaca e que fizeram logo no início uma biópsia de acompanhamento. Destes, mais de 80% tiveram uma "resposta clínica" para a dieta, ou seja, os sintomas diminuíram ou desapareceram. Porém, após 2 anos, novas biópsias mostraram que em apenas 1/3 as vilosidades intestinais estavam recuperadas; depois de 5 anos, 2/3 dos pacientes tinham recuperado totalmente as vilosidades intestinais.


O estudo identificou que os danos às vilosidades foram persistentes em dois tipos de pacientes: aqueles que, em algum momento, desrespeitaram a dieta sem glúten, e também àqueles que seguiram a dieta à risca mas que, quando diagnosticados, apresentavam quadro de diarreia grave, perda de peso e/ou atrofia total das vilosidades. 



Em quanto tempo estarei com a doença celíaca controlada?


Após suspensão do glúten da dieta, a recuperação da mucosa começa imediatamente. Porém, seu restabelecimento anatômico pode levar de 1 a 2 anos, em média. 


Um estudo australiano afirma que as vilosidades intestinais de celíacos tendem a melhorar entre seis a doze meses após o início de uma dieta livre de glúten; porém, o desempenho de absorção das vilosidades de quem tem a doença celíaca se estabiliza em um nível muito inferior ao de quem não tem a doença.


A dieta livre de glúten é a alternativa para controlar a doença celíaca, seus sintomas e os danos que ela pode causar ao organismo. Por isso, é tão importante a orientação profissional, de médicos e nutricionistas. Quanto antes a doença for diagnosticada, menor seu impacto sobre o organismo do paciente. E, caso você já tenha doença, lembre-se que a leitura atenta dos rótulos dos produtos que você vai consumir também é fundamental para garantir o seu bem estar.