Voltar

Orgânicos

Proteínas naturais orgânicas: quais são?

As proteínas colaboram com o crescimento, reparo e manutenção dos músculos, tecidos e órgãos e atuam na produção de hormônios. Além das proteínas animais, encontradas na carne, peixes, ovos, leites, queijos e iogurtes, é possível encontrar fontes naturais de origem vegetal como soja, quinoa, lentilha, ervilha e gergelim.

Se você está lendo este texto, provavelmente faz parte do grupo de pessoas que reflete sobre o que consome e procura por uma alimentação mais saudável e alternativas mais sustentáveis. Para isso, uma boa saída é incluir alimentos orgânicos no cardápio, seja nas refeições principais ou nos lanches. 

Como já contamos aqui, alimentos orgânicos são aqueles produzidos sem o uso de insumos artificiais ou químicos (agrotóxicos, hormônios, adubos químicos ou transgênicos, etc) em qualquer momento da sua produção, desde o preparo da terra até a colheita.

Se você quer incluir mais proteínas no seu cardápio sem consumir mais carne, pode procurar por fontes naturais e orgânicas, que terão dupla vantagem: os nutrientes e a produção que respeita o meio ambiente.



Por que incluir proteínas naturais no cardápio?


Consumir proteínas é importante para o bom funcionamento do corpo. Elas colaboram com o crescimento, reparo e manutenção dos músculos, tecidos e órgãos e atuam na produção de hormônios. Além das proteínas animais, encontradas na carne, peixes, ovos, leites, queijos e iogurtes, é possível encontrar fontes naturais de origem vegetal. 

Tal  prática, que é adotada principalmente por pessoas vegetarianas e veganas, pode ser uma opção para qualquer pessoa que deseja colaborar com a formação de músculos, células e equilibrar hormônios no corpo. 


10 fontes de proteína natural de origem vegetal:


Seja em pratos quentes ou frios, saladas, lanches rápidos, sempre é possível incluir proteína de origem vegetal no seu dia a dia. Confira 10 alimentos super fáceis de achar, inclusive na versão orgânica: 

1. Soja – é uma proteína de alto valor biológico, ou seja, que é facilmente absorvida pelo organismo. Fibrosa, colabora com o funcionamento intestinal e ajuda a aumentar a sensação de saciedade. Além disso, é rica em isoflavonas, que ajudam a combater o desenvolvimento das células cancerígenas.


2. Quinoa – também conhecida como “superalimento”, é fonte de cálcio, ferro, ácidos graxos, ômega 3 e 6 e vitaminas, como as do complexo B. Incluir a quinoa na alimentação previne e controla diversas doenças.

3. Lentilha – é um dos principais alimentos fontes de proteína vegetal. Pode ser consumida cozida e na versão seca – que tem quase 3 vezes mais nutriente. A lentilha não se enquadra na lista de proteínas completas (que têm todos os aminoácidos essenciais), mas se destaca pela alta quantidade de fibras alimentar, vitaminas e minerais.

4. Ervilha  altamente nutritiva, é fonte de vitamina A, do complexo B, C, E e K. Rica em fibras, favorece a digestão dos alimentos, e ajuda a fortalecer o sistema imunológico, prevenindo gripes, resfriados e doenças inflamatórias.

5. Gergelim – melhora a saúde óssea, protege contra radiação solar e previne câncer, hipertensão e  diabetes. Tem proteínas, tiamina, vitamina B6, folato e triptofano, cálcio, ferro, magnésio, fósforo, manganês, cobre e zinco.

6. Linhaça - também conhecida como um "superalimento", a linhaça contém proteínas, ácidos graxos, ômega 3, e é fonte de vitaminas e minerais. Quando inserida no cardápio, reduz o colesterol e o risco de câncer, tal como melhora a pressão arterial.

7. Grão de bico  seu consumo fornece, vitaminas e minerais, tais como cálcio, fósforo e potássio, que ajudam a fortalecer a saúde cardiovascular e a melhorar ossos e músculos. O grão também se destaca pelo que ele “não tem”, que são as substâncias anti-nutricionais, os fitoesteróis.


8. Amêndoas  incluir essa oleaginosa no cardápio significa obter, proteínas, cálcio, além das vitaminas E, B2 e B3. Pesquisa realizada pela Universidade da Florida que destaca a melhora na qualidade da dieta em famílias que a colocaram a semente na rotina, no lugar de salgadinhos e biscoitos.


9. Amendoim  é fonte de dois aminoácidos: a arginina (potente vasodilatador, ajuda a relaxar as artérias e alivia a pressão_ e glutamina (colabora com a manutenção da integridade do intestino). Sua casca contém resveratrol, famoso antioxidante encontrado no vinho.


10. Nozes  consideradas amigas do coração, as nozes - de qualquer tipo - contêm doses expressivas de ácido alfalinolênico, uma versão do ômega 3, além de serem ricas em antioxidantes.



Para inserir esses alimentos no cardápio e aumentar o seu consumo de proteínas naturais, você pode:

  • Acrescentar as sementes de gergelim e de linhaça na salada, 
  • Substituir lanches industrializados, como biscoitos e barras de cereais, por grãos como amêndoas, amendoim e nozes, que funcionam como lanches rápidos e super nutritivos;
  • Inovar receitas, como salada de quinoa, hambúrguer de lentilha, estrogonofe de soja, entre outras. Tenha curiosidade por novos sabores e use a criatividade!
  • E na hora da compra, não tenha dúvidas: para colocar alimentos orgânicos no carrinho, lembre de procurar o selo SisOrg. E se restar incerteza sobre a certificação, você pode consultar nosso post sobre como identificar orgânicos.



FONTES: Tua SaúdeEcycleVeja Saúde e Feito de Iridium