Voltar

Orgânicos

Cogumelos enriquecidos com minerais

Alimentos podem ser enriquecidos de selênio e lítio de forma natural, tornando os cogumelos fontes destes importantes minerais.

O consumo de cogumelos aumentou bastante nos últimos anos, ganhando mais espaço no cardápio do brasileiro. A alta adesão ao estilo de vida vegano e vegetariano, como também aos pratos orientais, motivou o volume expressivo de vendas. O alimento proporciona muitos benefícios à saúde, fornecendo proteínas, fibras, minerais e vitaminas que contribuem para o bem-estar do organismo. Além disso, muitas das variedades existentes têm propriedades medicinais já reconhecidas pelo meio científico. 


A novidade é que algumas dessas propriedades dos cogumelos podem ser potencializadas com o enriquecimento dos substratos usados no cultivo. Em uma pesquisa desenvolvida pelo Laboratório de Associações Micorrízicas da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais, foram adicionados, separadamente, selênio e lítio na composição dos resíduos agrícolas utilizados nos blocos de cultivo dos cogumelos, como casca de café e bagaço de cana. O objetivo do experimento foi o de produzir cogumelos com uma maior concentração desses minerais.


Os resultados foram positivos. Os pesquisadores concluíram que os cogumelos enriquecidos podem ser uma boa fonte de lítio, uma vez que há poucos alimentos que o fornecem. A concentração do mineral aumentou de duas a cinco vezes nos cogumelos cultivados nos blocos enriquecidos. Vale ressaltar que o consumo de alimentos com alto nível de compostos de minerais auxilia na estrutura e formação dos ossos, regulação dos fluidos corporais, secreções digestivas, entre outras vantagens à saúde. Especialmente o lítio tem ligação profunda com a saúde neurológica e psiquiátrica.


Todavia, o consumo de cogumelos no Brasil ainda não se equipara ao de outros lugares no mundo. A Embrapa estima que a venda per capita no País hoje seja de 288g/ano. Há 25 anos, era de menos de 100g/ano. Para fazer um comparativo, na França o consumo per capita é de 2kg/ano. Estima-se que existam 2 mil espécies comestíveis, das mais de 10 mil conhecidas atualmente. O Brasil cultiva poucas delas. As mais comercializadas são o champignon ou cogumelo Paris (Agaricus bisporus), o shitake (Lentinula edodes), o shimeji ou hiratake (Pleurotus ostreatus), além do "cogumelo do sol” (Agaricus blazei), considerado um alimento medicinal no Brasil.


Vale ficar atento: há casos de pessoas que são alérgicas e, por essa razão, não podem consumir estes fungos frutificados (os cogumelos são classificados assim!). Outra questão que precisa de atenção é a procedência do produto. Atualmente, a maioria absoluta dos cogumelos no mercado vem de cultivo controlado. Dessa forma, são seguros para o consumo. Se você ainda não provou, aposte em usar os cogumelos nas suas receitas para incrementar as refeições. Mas nunca prove ou experimente um cogumelo que encontrar na mata. Podem ser espécies com princípios ativos psicoativos ou tóxicos. Em outras palavras, corre-se o risco de ingerir algo altamente danoso à saúde se não venenoso. Os comestíveis somente são reconhecidos por biólogos e especialistas.