Voltar

Consumo consciente

Cinco dicas para educar os filhos sobre consumo

O exemplo dos pais faz muita diferença para que as crianças entendam seu papel no mundo em relação à sustentabilidade ecológica e também em relação ao lugar que ocupam na sociedade.

Em casa e na quarentena, pais e mães podem construir uma visão sobre a importância de se consumir menos e fazer compras com consciência. Apesar de ninguém nascer "consumista”, o comprar em excesso passou a ser uma característica cultural marcante para a humanidade desde a revolução industrial e, atualmente, parece muito acentuada nas crianças. Por isso, orientar os pequenos sobre as consequências deste consumo além do necessário e o que fazer para preservar um futuro para todos. Além disso, a pandemia expõe a vulnerabilidade social e alimentar de milhares de brasileiros, fato que também abre os olhos da gurizada sobre o que eles têm e o que os outros nem sonham em ter.


O consumo consciente se refere ao uso não só de produtos, mas de bens naturais, com o objetivo de evitar desperdícios de qualquer tipo. Assim, o impacto é menor dentro e fora de casa, dentro e fora da sociedade, dentro e fora do planeta (até porque do planeta não tem fora, só dentro!). A seguir, trouxemos algumas ideias que podem ajudar na tarefa de educar seus filhos para a responsabilidade ambiental e social.


1. Dê o exemplo e compre menos

O comportamento dos adultos influencia significativamente o olhar das crianças sobre diferentes questões. Eles vão se espelhar neles na hora de consumir. A primeira dica é, então, para pais e mães: consumam menos e de modo consciente! Promover bons hábitos no cotidiano é crucial.


2. Inclua as crianças nas finanças

Quando precisarem ir ao supermercado, levem as crianças e façam em conjunto um exercício de análise de quais produtos vocês realmente precisam e quais podem ser dispensáveis. Oriente sobre a importância de administrar o dinheiro para pagar as contas e economizar. Dê algum dinheiro para elas - quando maiores - e peçam que comprem algo de que gostam. Elas verão que muitas vezes o valor não é o suficiente e isso já é um ensinamento.


3. Ensine a lidar com o lixo

Separar os resíduos domésticos é o primeiro passo. A correta classificação dos materiais é essencial para que o processo de reciclagem seja bem sucedido e as crianças devem saber disso desde cedo. Tenha, no mínimo, um lixo para os resíduos orgânicos e outro para os secos. Ensine-as a separar. Diga como o lixo pode afetar o meio ambiente se não for descartado adequadamente. Por outro lado, mostre objetos que possam ser reutilizados, pois nem tudo é lixo.


4. Fale sobre o problema dos desperdícios

A comida que sobrou no prato e tem que ir para o lixo; o chocolate escondido no fundo do armário e por isso passou de validade; o banho longo demais são exemplos de hábitos do dia a dia a serem combatidos. Reflita junto com a criança sobre as consequências negativas dessas práticas e o que acontece quando todos fazem a sua parte. É relevante mostrar que muitas pessoas não têm condições de se alimentar regularmente, por isso, nada de jogar comida fora. Além de falar sobre reaproveitamento: talos, folhas, sementes e cascas enriquecem pratos e têm grande valor nutritivo. Procure receitas e faça com os pequenos de um modo divertido e educador.


5. Doe, troque ou faça os brinquedos

Propicie uma atividade que instigue a imaginação de modo a confeccionarem os próprios brinquedos. Isso ajuda a diminuir o uso de plásticos e demais resíduos da indústria, além de fazer com que eles percebam o objeto de outra forma, já que construíram com as próprias mãos. Também vale incentivá-los a participarem de feiras de trocas de brinquedos e que doem periodicamente roupas, calçados, livros e brinquedos que pouco usaram. Faça com quem participem do processo, desde a separação até a entrega.


Gostou das dicas do conteúdo? Aproveite e coloque tudo em prática! Ajude a ocupar os pequenos presos em casa com atividades conscientes.