Intolerância a lactose e alergia à proteína do leite são a mesma coisa?

De forma simplificada, podemos dizer que a alergia é uma reação do sistema de defesa do organismo, enquanto a intolerância é a dificuldade do organismo em digerir algum nutriente. Assim, o que chamamos comumente de "alergia à lactose" ou APLV - Alergia à Proteína(s) do Leite de Vaca - é uma reação do sistema imunológico a caseína, alfa-lactoalbumina ou beta-lactoglobulina, que são as proteínas do leite. Já a intolerância decorre da dificuldade do organismo em digerir à lactose (o açúcar do leite) causada pela ausência ou diminuição da produção de lactase (já falamos disso aqui).  

A partir de agora, vamos ajudar você a entender melhor a diferença entre alergia e intolerância à lactose.


Entenda a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV)

Como dissemos, a APLV é uma reação do sistema imunológico à(s) proteína(s) do leite de vaca que se manifesta mais comumente entre crianças (principalmente bebês). Os sintomas da APLV podem ser percebidos minutos, horas ou até dias após a ingestão de leite de vaca ou derivados. Eles se manifestam de forma persistente ou repetitiva. 

A pessoa que tem APLV pode ter um ou mais dos seguintes sintomas:

  • digestivos: vômitos, cólicas, diarreia, dor abdominal, prisão de ventre, presença de sangue nas fezes, refluxo, etc.;
  • cutâneos: urticária, dermatite atópica de moderada a grave;
  • respiratórios: asma, chiado no peito e rinite;
  • reação anafilática;
  • baixo ganho de peso e crescimento. 


O diagnóstico é dado pelo médico, que faz a análise da história clínica e avalia a relação entre a ingestão do alimento suspeito e a manifestação do(s) sintoma(s). Ele também pode solicitar exames complementares e prescrever uma dieta isenta de proteínas no leite, a qual permitirá perceber se os sintomas cessam ou reduzem durante o período de restrição alimentar. Outra prática comum é o Teste de Provocação Oral: no consultório, na presença do médico, é feita a reintrodução de leite em pequenas e progressivas doses.

Como a alergia se manifesta especialmente em bebês e crianças, é necessário adotar medidas especiais:

  • caso o bebê ainda tome leite materno, a mãe deverá seguir uma dieta especial sem leite e derivados, a qual será prescrita pelo médico e/ou a nutricionista;
  • caso o bebê não mame mais no peito, os pais deverão tirar da dieta do filho tanto o leite de vaca quanto seus derivados, assim como todos os alimentos preparados com as proteínas do leite;
  • é necessária especial atenção aos alimentos industrializados, que podem conter leite ou derivados (como, por exemplo, caseína, caseinato, soro do leite ou proteínas do soro). Por isso, ler o rótulo é fundamental.


Saiba mais sobre a intolerância à lactose

Vale reforçar: a intolerância à lactose é a dificuldade que o organismo apresenta para digerir e absorver o açúcar do leite (lactose); isso acontece porque ele deixa de produzir ou diminui a produção da lactase, que é a enzima que digere a lactose.

Diferente da alergia, a intolerância se manifesta normalmente entre adultos e idosos. Essa dificuldade pode ser permanente ou uma consequência temporária de outros problemas de saúde, como diarreia prolongada ou doenças inflamatórias intestinais.

Ela é diagnosticada pelo médico, que faz uma observação clínica dos sintomas em relação a ingestão do alimento com lactose. Há a possibilidade, também, de ele solicitar exames específicos.

Todos os sintomas da intolerância à lactose são intestinais - diarreia, cólicas, gases, distensão abdominal (barriga estufada) - e podem se manifestar minutos ou horas após a ingestão do leite de vaca. Quer saber mais sobre? Clique aqui para conhecer em detalhes  os sintomas da intolerância à lactose.