Orgânicos podem ser industrializados?

Muitas vezes quando pensamos ou falamos em alimentos orgânicos nos vem à mente apenas frutas, verduras e legumes ou mesmo produtos como o mel, por exemplo. Mas, você sabia que a gama de orgânicos é muito maior do que isso? 

Antes de mais nada, vale relembrar o conceito de orgânicos. Já comentamos aqui que um alimento é orgânico quando é cultivado respeitando diversos aspectos, como ambientais, sociais, culturais e econômicos, sem usar agrotóxicos ou transgênicos em qualquer fase da produção. Ou seja, são alimentos produzidos em um sistema que busca manter não apenas o ecossistema equilibrado, mas também um sistema agropecuário sustentável. 

Além dos alimentos in natura, sem nenhum processamento, existe uma série de produtos industrializados que mantém essas características e dão mais praticidade no dia a dia.


Então, alimentos industrializados podem ser orgânicos?

Certamente que sim! Isso desde que o processo de industrialização respeite as normas de produção e evite a contaminação por substâncias indesejadas. Para ser considerado orgânico, o industrializado não pode usar conservantes químicos e deve ter, no mínimo, 95% de ingredientes orgânicos. Caso tenha porção entre 94,9% e 70%, o alimento pode ser chamado de “produto com ingredientes orgânicos”. Já se esse índice for inferior a 70%, o industrializado não pode ser chamado de orgânico.

Durante o processo de industrialização e/ou processamento, tudo deve ser sustentável e ecologicamente correto - incluindo o preparo do solo, plantio, escolha de sementes e mudas, colheita, armazenamento, transporte, manuseio, processamento e comercialização.


Como saber que um alimento é orgânico, seja ele in natura ou industrializado?

Todo produto orgânico deve ser identificado com o selo federal do SisOrg, seja em cartazes ou etiquetas (na venda a granel) ou na embalagem (venda em pacotes). Assim, fica fácil identificar nas prateleiras e gôndolas.